Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Sylvia Orthof

BIOGRAFIA

Sylvia Orthof, uma das mais criativas escritoras de literatura infantil brasileira, nasceu no Rio de Janeiro em 3 de setembro de 1932. Fez cursos de mímica, desenho, pintura, arte dramática e teatro na Escola Educação pelo Teatro, em Paris.
Iniciou-se na área de dramaturgia infantil como autora de texto, diretora de espetáculos, pesquisadora e professora de teatro. Atuou em São Paulo, como atriz, no Teatro Brasileiro de Comédia e na TV Record. Anos depois, transferiu-se para Brasília, onde exerceu as atividades de professora de teatro na Universidade de Brasília e coordenadora do Teatro do Sesi.
Publicou seu primeiro livro infantil em 1981. Escreveu cerca de 120 títulos para crianças e jovens, entre contos, peças teatrais e poesias. Suas obras receberam importantes premiações. Faleceu em 24 de julho de 1997, em Petrópolis.

http://www2.ftd.com.br/v4/Biografia.cfm?aut_cod=804&tipo=A



MARIA VAI COM AS OUTRAS

Sylvia Orthof,

Era uma vez uma ovelha chamada Maria.
Onde as outras ovelhas iam, Maria ia também. As ovelhas iam pra baixo. Maria ia pra baixo. As ovelhas iam pra cima. Maria ia pra cima.
Maria ia sempre com as outras.
Um dia, todas as ovelhas resolveram comer salada de jiló. Maria detestava jiló. Mas, como todas as ovelhas comiam jiló, Maria comia também. Que horror!
Foi quando, de repente, Maria pensou: “Se eu não gosto de jiló, por que é que eu tenho que comer salada de jiló?”
Maria pensou, suspirou, mas continuou fazendo o que as outras faziam.
Até que as ovelhas resolveram pular do alto do Corcovado pra dentro da lagoa.
Todas as ovelhas pularam.
Pulava uma ovelha, não caía na lagoa, caía na pedra, quebrava o pé e chorava: mé!
Pulava outra ovelha, não caía na lagoa, caía na pedra, quebrava o pé e chorava: mé!
E assim quarenta e duas ovelhas pularam, quebraram o pé, chorando: mé! mé! mé!
Chegou a vez de Maria pular. Ela deu uma requebrada, entrou num restaurante e comeu uma feijoada.
Agora, mé, Maria vai para onde caminha o seu pé!

ORTHOF, Sylvia. Maria-vai-com-as-outras. São Paulo: Ática.




A BOLSA AMARELA
            Meu irmão chegou em casa com um embrulhão. Gritou da porta:
         – Pacote da tia Brunilda!
         Todo mundo correu, minha irmã falou:
         – Olha como vem coisa.
         Rebentaram o barbante, rasgaram o papel, tudo se espalhou na mesa. Aí foi aquela confusão:
         – O vestido vermelho é meu.
         – Ih, que colar bacana! Vai combinar com meu suéter.
         – Vê se veio alguma camisa do tio Júlio pra mim.
         – Que sapato alinhado, tá com jeito de ser meu número.
         Eu fico boba de ver como tia Brunilda compra roupa. Compra e enjoa. Enjoa de tudo: vestido, bolsa, sapato, blusa. Usa três, quatro vezes e pronto: enjoa. Outro dia eu perguntei:
         – Se ela enjoa tão depressa, pra que ela compra tanto? É pra poder enjoar mais?
         Ninguém me deu bola. Fiquei pensando no tio Júlio. Meu pai diz que ele dá um duro danado pra ganhar o dinheirão que ele ganha. Se eu fosse ele, eu ficava pra morrer de ver tia Brunilda gastar dinheiro numas coisas que ela enjoa logo. Mas ele não fica. Eu acho isso tão esquisito! Outra coisa um bocado esquisita é que se ele reclama, ela diz logo: “Vou arranjar um emprego”. Aí ele fala: “De jeito nenhum!” E dá mais dinheiro. Pra ela comprar mais. E pra continuar enjoando. Vou ver se um dia eu entendo essa jogada.
         Não parava de sair coisa do pacote. Minha mãe falou:
         – Que boazinha que é a Brunilda: sabe como a gente vive apertada e cada vez manda mais roupa.
BOJUNA, Lygia. A bolsa amarela. Rio de Janeiro: Agir, 1997



Fato
Tio Júlio dá um duro danado pra ganhar o dinheirão que ganha. Tia Brunilda gasta tudo.
Fato: acontecimento; algo que ocorre com certeza.
Fatos: ações que se sucedem no tempo, envolvendo pessoas ou personagens e espaço bem definidos.


Opinião
Eu acho muito esquisito.
Opinião: julgamento do fato; ideia ou posição sobre algo ou alguém.
Depende do ponto de vista.
Sobre um mesmo fato pode haver várias opiniões.


“Para que, efetivamente, entenda o que é opinião, o aluno precisa entender a quebra que há na ordem do narrar.”




LYGIA BOJUNGA
Biografia
Lygia Bojunga Nunes (Pelotas RS 1932). Autora de literatura infantil e juvenil. Passa sua primeira infância em uma fazenda. Aos 8 anos muda-se com a família para o Rio de Janeiro. Em 1951, torna-se atriz da Companhia de Teatro Os Artistas Unidos, viajando pelo interior do Brasil. Atua nesse momento, também, como atriz de rádio. Ao abandonar os palcos e as atividades que exercia, começa a escrever para o rádio e para a televisão. Em busca de uma vida mais integrada à natureza, refugia-se no interior do estado do Rio de Janeiro. Funda, acompanhada de seu segundo marido, o inglês Peter, uma escola rural para crianças carentes, a Toca, que dirige por cinco anos. Faz sua estréia literária em 1972, com o livro Os Colegas e, já em 1973, recebe o prêmio Jabuti. Em 1982, torna-se a primeira autora, fora do eixo Estados Unidos-Europa, a receber o Prêmio Hans Christian Andersen, uma das mais relevantes premiações concedidas aos gêneros infantil e juvenil. Nesse mesmo ano muda-se para Inglaterra, alternando entre esse país e Brasil. Em 1988, volta ao teatro, escrevendo e atuando em palcos no país e no exterior. Trabalha com edição e produção de livros, feitos de forma artesanal. Em 1996, publica Feito à Mão, uma realização alternativa à produção industrial, como indica o título, composta manualmente, com papel reciclado e fotocopiado. Em 2002, publica Retratos de Carolina, o primeiro livro da sua própria editora, a Casa Lygia Bojunga. Pelo conjunto de sua obra, em 2004, ganha o Astrid Lindgren Memorial Award, prêmio criado pelo governo da Suécia, jamais antes outorgado a um autor de literatura infantil e juvenil. Com esse incentivo, cria nesse mesmo ano a Fundação Cultural Lygia Bojunga com o intuito de desenvolver ações que aproximem o livro da população brasileira.
http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_lit/index.cfm




Um comentário:

  1. ESSES EXEMPLOS FORAM FORNECIDOS PELO ALFAMAT, QUE MONTOU UM MATERIAL COM DIVERSOS TEXTOS DE ESCRITORAS PARA NOS AUXILIAR NO NOSSO TRABALHO EM SALA DE AULA.

    ResponderExcluir